Atropelamento em BH

Foi um primeiro tempo de 5 gols. E o suficiente para o showtime do líder do campeonato. Um 4 a 1 inapelável. Em 25 minutos, o Galo concluiu o seu atropelamento. E com a goleada, o Vasco caiu 4 posições ficando em nono lugar. Ainda não há motivos para se alarmar; porém, o Vasco está a 3 pontos do G4 e a 6 do Z4. Mas é bom ficar atento.

O jogo só valeu pelo primeiro tempo, onde saíram os 5 gols. O Vasco deu a impressão inicial de que poderia surpreender logo aos 5 minutos em um lateral cobrado por Henrique, que encontrou Benitez, livre, que passou por trás da marcação de Réver, matou no peito e deu uma linda bicicleta. Golaço. Porém, foi só impressão, porque aos 13, em jogada rápida, o lateral Guga cruzou, a bola pinga na área, Keno gira na frente de Ricardo Graça e Guilherme Arana vem de surpresa e bate forte para empatar. 4 minutos depois, erro na saída de bola, Keno passa por 3 e entrega para Natan virar o jogo. Aos 30, Carlinhos erra bisonhamente um passe, dá o contra-ataque a Natan, que é derrubado por Ricardo Graça. Pênalti bem cobrado por Guga. E aos 37, é Marcos Junior que erra o passe e Savarino e Savarino invade a área e é seguro por Leandro Castan. Outro pênalti e Keno fecha o showtime do Galo, 4 a 1.

No segundo tempo, com a partida definida, o Galo diminui um pouco o ritmo, mas mesmo assim trouxe problemas ao onze cruzmaltino. Andrey acaba expulso aos 14 minutos, deixando a equipe com 1 a menos. Mas o Galo diminui o ímpeto, mas mesmo assim acertou a trave, com Keno aos 25 minutos. Teve uma cabeçada aos 39 minutos, mas Fernando Miguel defendeu facilmente. Simplesmente uma noite em que o Galo atropelou a nau cruzmaltina, sem dó nem piedade.

O Vasco caiu para o nono lugar na tabela. Era esperada essa oscilação. Mas os pontos perdidos para Coritiba, Atlético-GO e Bragantino hoje estão a fazer falta. Com os 8 pontos o Vasco estaria com 26 ponto, em uma situação melhor. Não há razão ainda para desespero, mas nota-se um desânimo na equipe, aquela gana inicial e espírito de luta parecem ter caído. É preciso se recuperar o quanto antes, para fazer os 45 ponto necessários, para ao menos e garantir na Série A. Possivelmente, terá que ser usado este raciocínio para autopreservação. Pelo menos por enquanto.