Atitude, irmão!

 

vasco

1

O verdadeiro estorvo em que se constituiu a derrota para o América de Natal (e tanto faz se era fora de casa ou se fosse dentro) exige uma atitude drástica para este jogo contra a Ponte Preta amanhã.

Acontece que o Vasco não pode mais errar.

Uma derrota em casa seria a implosão da já combalida confiança. Nem o empate pode ser considerado algo bom.

Logo atrás, sedentos, vem Avaí e Ceará. Nesta rodada, ambos jogam em casa.

O time catarinense faz um clássico duro contra o vice-líder Joinville.

O alvinegro cearense é favorito contra o Santa Cruz.

São sete jogos para o fim do campeonato. A volta à série A não deve ser decidida na última rodada. Será antes.

Acima de tudo, a torcida vascaína precisa empurrar como nunca uma máquina que infelizmente tem rateado neste ano. Se não dá na técnica e na tática, que seja na raça.

Não dá para pensar em outra coisa que não seja a vitória.
2

E justamente pela inconsistência nos resultados é que cairia muito bem no Vasco uma escalação ofensiva, agressiva, para acuar a Ponte Preta.

Nosso Catalano bem sugeriu aqui: Antônio Lopes à la 1982.

À época, o hoje veterano treinador barrou oito jogadores no triangular final do campeonato carioca.

No fim, Vasco campeão depois de cinco anos.

É sabida a prioridade defensiva de Joel Santana, que lhe levou a uma trajetória vitoriosa à beira dos gramados. No entanto, o momento parece ser bem mais de atitude.

Atitude.

Jogar como time grande, de tradição e presença.

Partir para cima. Atacar.

Não é hora de covardia, mas de ser Vasco na essência.

@pauloandel