Adeus Eurico. Fora Cristóvão.

Senhores,

Testemunhamos uma atuação catastrófica que, se não fosse pela ruindade dos atacantes do Fluminense, teria entrado na história do clássico. Podíamos tranquilamente ter levado uma tunda de sete, oito gols. Por pelo menos quatro vezes o ataque do Fluminense entrou com três contra um, quatro contra dois.

Martin Silva deixou o campo furioso, sem falar com ninguém.

Madson indolentemente olhava os jogadores do Fluminense passarem correndo ao seu lado enquanto caminhava de volta sem se importar com o que se passava à sua volta.

Contra um time sabidamente renovado e cheio de garotos, Cristóvão montou uma escalação senil. Entrou com zero volantes verdadeiros para proteger uma zaga extremamente lenta – na qual só Guilherme corria feito um para tentar salvar alguma coisa. Já poderia ter saído pro intervalo perdendo de três.

Voltou de lá com Guilherme Costa no lugar de Eder Luis e Ederson no de Escudero. Nenhuma providência para melhorar parte defensiva do time. Verdade seja dita, acabou tendo de segurar a última substituição por causa da condição física de Martin Silva, que reclamava do joelho. Suas substituições colocaram o time ainda mais pra frente. Chances foram criadas e perdidas – a melhor delas por Madson, para meu ódio.

E contra-ataques alucinados. Parecia que o time tinha uns dois jogadores a menos, tal a quantidade de vezes em que o ataque do Fluminense entrava correndo pra cima de Luan e Rodrigo, quando não sobre Rodrigo sozinho.

Cristóvão fez o que se esperava dele. Piscou muito os olhos. Fez caretas. Até tentou orientar algo, mas o desastre estava consumado. O time é fraco, mas a hecatombe que vimos se deu por causa da escalação completamente desprovida de qualquer sentido.

A catástrofe foi de tal dimensão, que o técnico deveria ser demitido já. Não vou ficar aqui pedindo calma, falando que está longe o Brasileiro, blablablá.

Cristóvão não tem condições de comandar a remontagem do Vasco. Tinha de sair HOJE.

Pensando bem, quem tinha de sair não era só o Cristóvão, mas o cidadão que o colocou lá. Senhor Eurico Miranda, já passou da hora de o senhor pedir o seu boné. Agradecemos os serviços prestados. Não dá mais.

Muita gente me acusa de ser Euriquista porque eu elogio o que tem de ser elogiado e resmungo dos absurdos. Provavelmente eu tenha demorado muito a abandonar esse barco. Tá na hora. Temos de impedir o Vasco de virar América, pois para lá caminhamos a passos largos. Chega.

Não vou aqui xingar ou ofender quem quer que seja, mas passo a, educadamente pedir a saída do Eurico e sua equipe do Vasco, pelo bem do Vasco. Em todos os textos daqui pra frente.

Duas goleadas seguidas, para Corinthians e Fluminense. Quarta-feira, o Bangu de Loco Abreu.

O ano promete.