Acreditar sempre

Podemos não ter um time à altura de nossas tradições. Mas uma coisa não podemos deixar de admitir: este time tem um poder de superação que pode dar inveja a um guerreiro japonês.  Um time que não deixa de acreditar em um minuto sequer que pode superar adversidades. E esse time tem se especializado nisso. E as vitórias sobre os flores quinta-feira e sobre o Botafogo hoje pelo mesmo placar, revelam isso de forma clara.

Tivemos hoje uma partida eletrizante. Cinco gols e a decisão no final.   O nosso time segue a apresentar falhas bisonhas.  Mas até isso foi superado hoje.  Tivemos dois belos gols, o primeiro de Pikachu e o último de Andrés Rios.  Algo bem típico da equipe cruzmaltina atual.  Começamos muito mal.  O Botafogo pressionava nossa saída de bola que não é nosso forte e aos 2 minutos, tiveram uma chance, com defesa de Martin Silva, onde Wellington toca a bola de forma bisonha para o chute de Leo Valencia.  E de tanto sermos imprudentes, tomamos um gol bisonho, 1 minuto depois. Mais uma vez, Wellington recua para Paulão.  Este chuta de forma ridícula, tentando rebater e a bola bate em Renatinho, que entra livre e toca por cobertura sem chances para Martin Silva, abrindo o placar.  Com um gol contra, aos 3 minutos,  uma ducha de água fria para deixar um time devastado.  Que nada.  Para o Vasco de hoje, não existe jogo perdido até que o jogo termine. E o Vasco parte com tudo. Aos 7 minutos, troca de passes e o chute de Rafael Galhardo rente à trave. Aos poucos, encurralamos o Bota e aos 28 minutos, veio o empate: cruzamento de Wagner e Pikachu aparece por trás de Igor Rabello e bate de primeira sem chances para Gatito. Um belo gol e partida empatada.  E dois minutos depois, a virada cruzmaltina: novamente Wagner toca bonito de calcanhar para Riascos na ponta esquerda. Este dribla o lateral Marcinho duas vezes e cruza para Pikachu, sozinho, complementar.  Mais uma virada cruzmaltina no estadual.  Após a virada, nosso time recua um pouco e o Bota toma conta do meio campo. E aos 44 minutos, jogada entre Marcinho e Luis Fernando pela direita, envolvendo o fraco lateral Fabricio e Luis Fernando cruza para Brenner, que ganha fácil de Paulão e empata o jogo em 2 a 2.  Paulão e Fabricio mais uma vez tiveram uma tarde lamentável para esquecer.  Hora de ZR mudar essa zaga.  Paulão simplesmente precisa esquentar um banco e pensar na vida, porque hoje falha de forma sistemática.  Inclusive, a derrota na Libertadores ficou na sua conta por permitir que o atacante chileno girasse em sua frente, chutasse e fizesse o gol.

O segundo tempo foi menos movimentado, com poucas  chances de gol.  E todas elas do meio para o final do jogo. O Botafogo teve uma aos 30 do segundo tempo com Rodrigo Lindoso. De resto, as outras chances foram cruamatinas. Aos 24, Thiago Galhardo tentou tocar por cima do goleiro; mas a bola é salva pela defesa alvinegra.  Aos 36  minutos, boa troca de passes no ataque e Thiago Galharso enfia uma bola primorosa para Paulinho, que toca para defesa de Gatito Fernandéz.  Mas a emoção foi deixada para o final.  Aos 50 minutos, escanteio cobrado por Paulinho, Wellington toca de raspôão e Andrés Rios pega bonito, de voleio para dar números finais a partida: Bota 2  x 3 Vasco.  De tirar o fôlego.  Agora é descansar, pois teremos o jogo do ano quarta-feira contra a raposa mineira.

Uma lição que nossa equipe cruzmaltina nos deu hoje. Temos que acreditar sempre, mesmo que tudo conspire contra.  O jogo de quarta-feira, temos que encarar como se fosse o último, no qual teremos que nos superar para tentarmos vencer o Cruzeiro. Eles têm um elenco melhor ?  Sim, mas por outro lado, somos uma equipe que provou que pode superar adversidades. Inclusive equipes superiores à nossa.  Portanto, mais do que nunca, temos que acreditar em nossa capacidade de nos superarmos. Em frente, temos que ir.