A volta à dura realidade

A torcida se empolgou com as 3 vitórias consecutivas. Mas ontem veio o choque de realidade. O Grêmio, mesmo com um time misto, dominou praticamente o jogo inteiro e venceu o onze cruzmaltino ontem por categóricos 3 a 1 . E certamente poderia ser pior. Ao menos, serviu para mostrar ao torcedor cruzmaltino que, a luta contra o Z4 ainda não acabou. O Vasco ainda precisa de 6 pontos em 27 para se salvar. A salvação está próxima. Bastam 2 vitórias em 9 jogos para isso. E nada de pensar em pré libertadores. A torcida precisa se proibir de sonhar com isso, Não é a realidade desse time hoje. Quando muito, uma Sul Americana é lucro. Veja, o Fortaleza conseguiu vencer ontem. E já está 3 pontos apenas atrás do Vasco. Portanto, todo cuidado é pouco.

Quanto a partida de ontem, a não ser nos primeiros 20 minutos, em que o Vasco foi absoluto, o restante do certame foi do imortal tricolor. Houve no início uma ilusão em que aos 9 minutos, Marrony pegou uma bola inesperada e tocou rente à trave. E aos 13, o primeiro gol: falta cometida em Marrony, Guarin cobra forte, a barreira salta, e Paulo Vítor dá um tapa para dentro gol. 1 a 0. E aos 19, outra jogada pelo lado direito, Raul cruza rasteiro e a zaga desvia para escanteio. E aos 22, novamente Marrony chuta e a bola bate em Paulo Miranda e vai a escanteio. E parou por aí. A partir dessa chance, só deu Grêmio. Inicialmente, muitas bolas para fora sem perigo, porém aos 33, o empate gremista: Pepê pega uma sobra de uma rebatida da defesa e chuta no cantinho de Fernando Miguel, que pula atrasado. Após o empate, o Grêmio seguiu martelando, com Everton Cebolinha levando vantagem pelo lado direito, infernizando a defesa cruzmaltina. Mas sem maiores perigos.

E no segundo tempo, quando se esperava um Grêmio cansado e tals, ledo engano. Logo aos 6 minutos Everton Cebolinha veio cortando pela esquerda, depois para dentro e, caixa. 2 a 1. O onze cruzmaltino se desnorteia, se lança ao ataque. Mas a mudança tirando Ribamar e colocando Gabriel Pec foi determinante para a derrota cruzmaltina. Isto porque, por mais que Ribamar tenha suas limitações, ele tem o mérito de brigar, incomodar os zagueiros adversários. Marrony não tem essa característica de centroavante. É mais ponta mesmo, busca o jogo. E o time se perdeu e tomou o terceiro aos 22 minutos em uma jogada em que a bola foi alçada na área e Leandro Castan atinge Luciano ao subir na disputa de bola. Pênalti. Luciano cobra e dá números finais a partida. O Vasco ainda tentou diminuir aos 32, com uma cabeçada de Marrony na trave. Mas já era tarde demais. Derrota mais do que justa.

Com a derrota de ontem, resta ao cruzmaltino sábado o clássico contra o tricolor das Laranjeiras no Maraca. O próximo adversário está na beira do abismo. Em condições normais, seriam 3 pontos tranquilos. Mas diante da situação do adversário na tabela, todo cuidado é pouco. É fundamental a vitória no sábado, tendo a vista a situação do Z4. É importante o onze cruzmaltino já chegar a 41, e nos dois jogos seguintes, um empate e uma vitória e pronto. Livres de qualquer possibilidade de Z4. Por mais que alguns torcedores achem pessimismo, essa é a realidade cruzmaltina. Nada de otimismo exagerado. Temos que pensar sobretudo em se livrar do Z4 o quanto antes. O time é limitado. Portanto é o que resta e o que vier depois é lucro.