A vitória da garra e da inteligência

Na quinta feira última, quando sofremos um empate no último minuto contra os flores, uma lição ali deveria ser aprendida pela equipe da colina. E aprendemos hoje pelo visto. Com a expulsão de Henrique ainda aos 30 minutos da etapa inicial, o que fazer ? E Jorginho conseguiu fazer com as substituições certas, o Vasco jogar com garra e inteligência. E conseguimos nos defender com galhardia e obtivemos uma importante vitória sobre um dos melhores times do campeonato. Sim, o Grêmio não é um time qualquer. Era favorito para o jogo de hoje e o seguramos para ganhar deles por 1 a 0. Uma vitória absolutamente maiúscula e categórica.

O jogo teve dois tempos distintos. O primeiro tempo, com o Vasco melhor no 11 contra 11, até os 31 minutos. E após esse momento, fomos encurralados pela equipe gremista. O segundo tempo que foi quase inteiramente deles. Mal o jogo começou e o Vasco foi a 220 km/h. E aos 2 minutos, no primeiro lance, o gol que nos daria a vitória: Desabato faz lançamento preciso para Henrique na ponta-esquerda; este avança e cruza certinho para Andrés Rios que dá um toque meio que de futsal que bate em Geromel e encobre o ótimo goleiro Marcelo Grohe, abrindo o placar para nós. Após o gol continuamos em cima e tivemos mais duas boas chances: aos 11, com Andrey em um chute fora da área para Grohe espalmar a escanteio; e aos 16, com Pikachu lançado no facão por Andrey que obrigou Marcelo Grohe a outra bela defesa para escanteio. Mas depois desses lances, recuamos e nisso, surge o personagem do jogo para o bem e para o mal: Henrique. O lateral foi o responsável direto pelo gol da nossa vitória; por outro lado tomou um cartão amarelo bobo por uma cera infantil; e aos 31 minutos, no lance capital ao ter que derrubar Luan por trás, após um passe equivocado de Desabato. Resultado: pelo cartão bobo tomado lá pela cera, recebeu o segundo amarelo e o vermelho. Cabe destacar a infantilidade do cartão anterior com uma cera ridícula. Não fosse isso, e Henrique tomaria apenas o amarelo nessa jogada e continuaria normalmente. Uma bobeira colossal. E após isso, o Grêmio atacou com Luan chutando para defesa de Martin Silva. E o bombardeio seguiria pelo segundo tempo.

Com 1 a menos, a estratégia, diante de um time superior tecnicamente, simplesmente era a de se defender e acertar algum contra-ataque. E assim foi montada a estratégia que se revelou bem sucedida. Montamos uma muralha, sob o comando de Breno que foi intransponível. Fora, uma boa jogada de Tiago Galhardo aos 33 minutos, praticamente fomos sufocados. No entanto, o Grêmio só teve três chances para empatar: uma com Éverton aos 11 minutos do segundo tempo, outra com André aos 24 e com Cícero aos 36, todas defendidas por Martin Silva. A dupla Breno e Ricardo Graça se portou muito bem, como uma muralha, notadamente o primeiro, melhor em campo hoje. E Luiz Gustavo também contribuiu para essa atuação soberba de nossa defesa. Há muito, não se via a retaguarda cruzmaltina se comportar bem. Ok, o Grêmio foi inoperante no ataque hoje. Mas temos que dar o mérito ao sistema defensivo que gerou essa inoperância.

Foram até agora 3 jogos. 4 gols marcados e apenas um sofrido. Pode ser uma discreta melhora, mas é fato que nosso sistema defensivo teve progressos. Com a entrada de Lenon e talvez Ramon mais adiante, podemos vir a ter uma das melhores defesas desse Brasileirão. Mas para um time que em vários jogos, tomou de 3 a 4 gols em alguns jogos, é inegável a evolução defensiva com Jorginho. Agora, é melhorarmos o ataque. Se chegarmos a esse equilíbrio, poderemos fazer uma campanha sem maiores sustos, além de nos mantermos na série A.