A noite de Marrony

Muitas vezes, em certas situações, quando uma equipe se encontra em apuros, um treinador sempre saca uma substituição ousada e funciona. E geralmente com um jogador da base. E foi a sacada de Alberto Valentim que determinou uma importante vitória hoje sobre o Bahia por 2 a 1. Quando tudo caminhava para um insosso empate, eis que Marrony entra aos 21 minutos no lugar de Thiago Galhardo e decide o jogo. Aconteceu outras vezes, como em 1971, quando o Vasco ganhava do Internacional de Porto Alegre por `1 a 0 e Mario Travaligni lança Roberto Dinamite que. com um chutaço de direita decide o jogo e faz o segundo gol e o Vasco sai vencedor. É preciso ousadia e confiança para vencer partidas.

Quanto ao jogo, o Vasco mais uma vez não jogou rigorosamente nada. Principalmente no primeiro tempo, em que fomos inteiramente dominados pelo adversário. Nos primeiros 15 minutos, só deu Bahia. Aos 2 minutos, Paulinho chutou para defesa de Martin Silva e na volta Giberto chutou para fora; aos 5 minutos Gilberto chutou rente à trave. Aos 10 minutos, Élber passa de passagem por Ramon e cruza para Gilberto testar para baixo e outra defesa de Martin Silva e Luiz Gustavo tira no susto para escanteio. E aos 12, de novo Gilberto chutando rente à trave. Ou seja, estávamos encurralados em nosso próprio campo. E a todo instante, o Bahia vinha sempre pela direita, com Élber passando facilmente por Ramon em todas, Ramon era uma avenida no lado esquerdo de nossa defesa. Só que quem não faz…. leva. E aos 32 minutos, o Vasco aproveitou a única chance que teve em todo o primeiro tempo: lançamento de Thiago Galhardo para Andrés Rios que aparece livre e é solado de forma imprudente pelo goleiro Douglas. Por pouco, Andrés Rios poderia ter até quebrado a perna, pois a entrada foi violentíssima. Leandro Vuaden não titubeou e expulsou o goleiro do Bahia. Pênalti marcado e Pikachu cobra com categoria, abrindo o placar para o time cruzmaltino. Mesmo com um a menos, o Bahia seguia melhor e fez jus ao seu domínio, empatando em um gol de categoria de Gilberto que, lançado, driblou dois e cortou para dentro, dando um chute seco sem chance para Martin Silva.

No segundo tempo, o jogo caiu bastante. O Bahia já não tinha a mesma velocidade e pregou em campo. E o Vasco cresceu. Um bom tiro de Maxi López para fora aos 3 minutos e um chute de canhota de Fabrício aos 5, para grande defesa de Fernando foram o cartão de visitas para o que o Vasco se propôs a fazer no segundo tempo. E com isso, tivemos o domínio de meio de campo. Mas seguíamos jogando mal e na raça, achamos o gol da vitória aos 32 minutos: boa jogada de Kelvin pela direita, costurando; ele toca para Pikachu que cruza na cabeça de Marrony, o garoto predestinado, dando números finais a partida. Após o gol, o Bahia cansou e não teve forças para conseguir o empate.

Mesmo jogando uma partida fraca, tivemos garra e raça e conseguimos os 3 pontos. Valentim teve o mérito de acertar nas substituições. Kelvin começou a jogada do gol da vitória e Marrony marcou o gol. Marrony é um menino de futuro. Jogou boas partidas na Copinha no início do ano e e jogou um bom Brasileiro no time sub 20. Sem ele, perdemos a chance de ir a semifinal no sub 20. Ele virou um jogo contra os mulambos neste campeonato; mas como foi requisitado para o time de cima, o sub 20 perdeu seu melhor jogador e acabamos eliminados na competição. Mas não tem nada não. Perdemos o Brasileiro sub 20, mas podemos estar a ganhar um bom jogador para nosso futuro. Força Marrony, esse será o primeiro de muitos gols.