A dura realidade de um elenco

No sábado, vimos uma autêntica pelada. Um dos piores jogos do Brasileiro 2019 em que um time em desespero de um lado e um outro medíocre do outro só a se defender, a espera de um contra-ataque mortal. Esse foi o retrato de Flores x Vasco, no último final de semana. Além também, do Maracanã vazio, pouco mais de 16000 pessoas foram ao Maracanã sábado. Triste realidade de um grande clássico de outrora em que um clube insiste em querer um lado do Maracanã, por pura birra de querer e tentar ser maior do que o outro. Que o Fluminense siga a ter essa postura com o Vasco, isolando nossa torcida e tome prejuízo, atrás de prejuízo. O retrato de um clube que tem que estar a reboque de outro para sobreviver. Lamentável. Parêntese feito, sigamos a falar do Vasco sábado.

O jogo foi de domínio de pelo menos 80% tricolor. O Vasco entrou com a finalidade de aproveitar o desespero adversário para contra-ataques letais. Ok, a defesa atuou bem e não levou gol. Mas os contra-ataques foram pífios, pouco ameaçaram o tricolor das Laranjeiras. Aos 5 minutos, o primeiro recado tricolor: lançamento de Ganso para Daniel que chutou cruzado, para defesa de Fernando Miguel. O Vasco respondeu aos 11, com boa jogada de Marrony pela ponta esquerda e Digão quase faz contra. Em outro ataque, aos 16 minutos, novamente outra boa jogada, com Daniel que acerta o travessão de Fernando Miguel. E 2 minutos depois, cruzamento de Rossi e Marrony cabeceia rente à trave. O jogo seguiu corrido, porém não se teve chances mais agudas até o final do primeiro tempo.

No segundo tempo, o Fluminense novamente veio com tudo e a 1 minuto, cruzamento de Caio Henrique e PH Ganso cabeceia para grande defesa de Fernando Miguel a escanteio. O Vasco teve uma resposta menos aguda, aos 10, em jogada novamente de Rossi, que cruza, e a bola atravessa a área tricolor e Ribamar não chega a tempo de desviar a bola. Após esses dois lances, seguiu um domínio amplo do tricolor, mas que redundou em muitos cruzamentos sobre a área cruzmaltina, o que facilitou a tarefa cruzmaltina de neutralizar os ataques aéreos. por outro lado um sonolento onze cruzmaltino que só se defendia e por preguiça e erros bisonhos de passe, não encaixava um contra-ataque. Só conseguiu isso, nos acréscimos com Marrony que, ao invés de avançar, se enrola com a bola e a passa para Danilo Barcelos que cruza bisonhamente e Muriel defende tranquilamente. O retrato de um jogo de dois times com limitações severas.

Com isso, o Vasco manteve 8 pontos de vantagem para o Z4. e para garantir mais nenhum risco de Z4, bastam 2 vitórias em 8 jogos. A essa altura dos fatos, o Vasco brigará pela Sula, o que já é o bastante para um time que não passa de um time organizado e aplicado, mas com limitações consideráveis. Depois dessas 2 vitórias, só resta a essa equipe uma campanha o mais digna possível, com vistas a uma posição melhor do que a 11ª para se ter uma boa premiação ao final desse brasileiro. Liberatdores, nem pensar. Deixemos de divagações desnecessárias.