A conquista da Taça Rio e o desencanto de LF9

E hoje foi o dia da quebra de dois tabus ainda pendentes: derrotar um time de Série A e o primeiro gol de Luiz Fabiano. De quebra, faturamos a Taça Rio. Pode-se dizer que, em termos práticos, o título não alterou nossa situação, mas faturamos R$ 1.000.000 e uma taça de campeão. Portanto conquistamos um título que nos dará um incentivo maior para o jogo contra o Fluminense, que foi o campeão da Taça GB, no próximo final de semana. E detalhe: não precisamos dos pênaltis para sermos campeões hoje. Vitória no tempo normal.

Quanto à decisão, tivemos um jogo intenso, brigado o tempo todo. Os dois times correram o jogo inteiro. O Botafogo foi melhor no primeiro tempo; o Vasco no segundo. E foi o bastante nossa atuação no segundo tempo para conquistarmos a vitória e a Taça Rio. No primeiro tempo, não tivemos tantas emoções, poucas chances de gols. Pelo Vasco, LF9 teve duas chances: uma em passe de Douglas, para fora; outra em que ele recebeu de Nenê e girou para fácil defesa de Élton Leite. Pelo lado do Botafogo, uma cabeçada de Sassá para fora e outra de Bruno Silva, em que ele fez carga sobre o lateral canhoto Henrique, obrigando Martin Silva a sua primeira grande defesa no jogo. E foi só.

No segundo tempo, o Vasco foi melhor e rondou a área do Botafogo o tempo todo. Os laterais Henrique e Gilberto passaram a apoiar mais o ataque, levantando várias bolas sobre a defesa alvinegra. Com isso, surgiram várias chances para Luiz Fabiano marcar. Em uma, em cruzamento de Gilberto, cabeceou com perigo; em outra jogada de Gilberto, em rebote de Helton Leite, tentou uma bicicleta – para fora. Quando entra Guilherme Costa, o Vasco se torna mais veloz. E com a expulsão de Marcelo, o Vasco fica com um homem a mais. Essa foi a chave para um domínio maior de nossa equipe. O Vasco foi mais à frente, em busca do gol, mas o Botafogo assustou nos contra-ataques. Em um deles, Bruno Silva voltou a aparecer em uma cabeçada, para outra bela defesa de Martin Silva. Com o aumento de ritmo do time cruzmaltino, Nenê, antes um pouco sumido do jogo, começou a aparecer mais. E MM faz outras duas alterações que foram fundamentais para o ritmo maior de nossa equipe: as entradas de Manga Escobar e Wagner. E de tantos cruzamentos e tentativas, chegamos ao gol, aos 41 minutos. Escanteio cobrado milimetricamente por Nenê, a zaga do Botafogo afasta mal e a bola sobra limpa para Douglas Luiz encher o pé: Vasco 1 a 0. Com isso, o Vasco começa a jogar no contra-ataque, o Botafogo tenta reagir; mas aos 47 minutos, o tiro de misericórdia: contra ataque que começa com Guilherme Costa, que toca para Manga Escobar que invade o campo oposto pela esquerda e, cara a cara com Helton Leite, toca para LF9, que só tem o trabalho do toque final. Vasco 2 a 0 e fim de jogo. Vasco campeão da Taça Rio. Os grandes destaques do Vasco foram Douglas que, além do gol, deu sequência às melhores jogadas, com passes precisos, distribuindo bem o jogo e Jean, incansável no combate e dando alguns bons passes após ganhar as disputas.

No final das contas, o jogo de hoje foi uma espécie de três em um. Serviu para resolver três questões: o Vasco ainda não havia derrotado um time de Série A. Conseguimos. Esqueçamos que era o time alternativo deles, eles optaram por isso e não temos nada com isso. Segunda: o desencanto de LF9. Depois de seis partidas, finalmente o primeiro gol. E o gol foi o gol da conquista da Taça Rio, fechando com chave de ouro a decisão de hoje. E, por fim, a conquista da Taça Rio, com um milhão de reais em nossos cofres (se o Eurico não for assaltado, é claro) e, por mais que não tenha um valor para a próxima fase do Carioca, é um título. Mais um belo troféu na sala de troféus de São Janu. Melhor do que isso, impossível. Agora é o Fluminense, final de semana que vem. Fecha a conta e passa a régua. É campeão!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *