A bola pune no minuto 44…

Até os 44 minutos do segundo tempo, a nossa equipe vencia os flores por 1 a 0; porém a bola puniu o Vasco neste minuto em uma bobeira geral da defesa que até então vinha fazendo um trabalho irretocável. Recuo excessivo, substituições erradas e Jorginho deixou escapar uma vitória que nos daria um desafogo em relação ao Z4. Seguimos 3 pontos longe do mesmo, mas domingo enfrentaremos um dos melhores, senão o melhor time do Brasil hoje: o Grêmio. E o que esperar desse time no domingo ?

Foi um jogo de muita luta, garra e intensidade. Muito pouco talento, a verdade é essa. E nos primeiros 15 minutos, o jogo foi desfavorável ao Vasco. Os flores impuseram uma correria e marcação alta, na qual não conseguíamos sair. E aos 11 minutos, jogada pelo lado direito de nossa defesa e Marcos Júnior chutou cruzado para defesa de Martin Silva. Aos 17, a primeira chance cruzmaltina com uma escapada de Andrey pelo direito, que chutou, mas a bola estufou a rede pelo lado de fora. Em seguida, outra escapada tricolor, com Sornoza, na qual este chuta, a bola bate no calcanhar de Ricardo Graça e Sornoza insiste, mas Graça se coloca em frente a bola e evita o gol certo deles. Além disso, não tivemos jogadas ofensivas agudas e o primeiro tempo terminou 0 a 0.

O segundo tempo já teve uma emoção e correria mais intensos. O Vasco começou em cima e a 1 minuto, bobeira da defesa tricolor e a bola sobra para Andrés Rios chutar para a defesa de Julio César. Os flores se assustaram com esta falha e nos primeiros 15 minutos, falharam seguidamente; porém não aproveitamos essas falhas devidamente. Aos 13 minutos, em mais uma rebatida bisonha de defesa tricolor, a bola sobrou para Giovanni Augusto, que serviu Wagner que, de frente para o gol…jogou a bola longe de SJ. E de tantas falhas, a bola puniu os flores aos 15 minutos. Em uma bobeira de Léo, Henrique pegou a bola, correu pela esquerda e cruzou; Julio César rebate nos pés de Andrés Rios que não perdoa e abre o placar para o gigante da colina. Após o gol, o Fluminense fez duas substituições, colocando os pontas Pablo Diego e Mateus Alessandro e a correria tricolor voltou novamente, principalmente pelo lado direito de nossa defesa, onde Mateus Alessandro levava ampla vantagem sobre Luiz Gustavo. Jorginho colocou Kelvin em lugar de Giovanni Augusto para explorar a velocidade nos contra-ataques; mas ao tomar a bola, o Vasco não acertava os passes para os mesmos. Em apenas um momento isso deu certo e aos 35 minutos, Andrés Rios chutou para a defesa de Julio César. Como o Vasco recuou ainda mais com as entradas de Evander e Bruno Silva, a bola nos puniria no finalzinho. Os flores apertaram o ritmo e aos 42, falha de nossa zaga e Pedro livre cabeceou para defesa de Martin Silva e na volta Marcos Junior acertou a trave; mas no lance seguinte, a bola nos puniu; cobrança de lateral, nossa defesa perde bisonhamente a bola e Pedro, oportunista, dá um tapa na bola, tira Breno e Ricardo Graça de uma vez só da jogada e toca, livre por baixo de Martin Silva para dar números finais a partida. Uma bobeira mortal.

Com o empate, teremos uma pressão ainda maior no domingo, quando enfrentaremos o melhor time do Brasil, o Grêmio. Se não tivéssemos dado essa bobeira, poderíamos ir para esse jogo mais tranquilo e até um empate seria um bom resultado para nós. Teremos que jogar para vencê-los. Uma tarefa árdua. Mas temos que enfrentar, tanto os adversários mais fortes, como os mais fracos, da mesma maneira. Apesar do gol ridículo tomado no final hoje, a defesa cruzmaltina se portou bem nesses dois jogos. Tomou 1 gol em dois jogos realizados. Há uma organização melhor. Esse jogo contra o bom time gremista será um bom teste para vermos isso. Sigamos em frente.